[ editar artigo]

Open Everything e un poquito más

Open Everything e un poquito más

Open banking, Open insurance, Open healthcare, Open commerce, Open innovation… Open everything.

Esse movimento global poderá mudar radicalmente os ecossistemas de negócios, impactando empresas tradicionais e da nova economia, quebrando uma premissa básica que tem sido há muito tempo uma grande vantagem competitiva: o ownership sobre os dados do consumidor.

A possibilidade do cliente portar seus dados a outros provedores de serviços ou plataformas poderá gerar um cenário que fará com que players que não se reinventem passem a atuar como “meros” provedores de infraestrutura. Nesse caso, uma nova camada de serviços acima, provido por um competidor, abstrairia a infraestrutura e traria maior valor agregado.

Imagine um usuário que possui várias contas em lojas de e-commerce. Então surge uma plataforma que captura e agrega os dados destes e-commerces para entender melhor o comportamento do usuário. A partir destas várias fontes concorrentes, ele adquire uma inteligência mais ampla e passa a oferecer ao usuário seus produtos e serviços ou ainda produtos e serviços de terceiros que jugar conveniente.

A vantagem competitiva que a loja possuía inicialmente tem seu efeito diminuído e pode potencializar uma maior vantagem a outros players do mercado.

Transformação dos negócios

“80% of businesses fast-tracked at least some digital transformation programs in 2020” .(DT Index 2020)

Os modelos de negócios já vêm em acelerada transformação. Programas de aceleração, como a reinvenção dos modelos de entrega de experiências digitais, novas formas de uso de dados e a transformação de serviços e modelos consumo, estão entre os “Top 5 successful acceleration programs” para a transformação digital, de acordo com relatório DT Index 2020.

Top 5 successful acceleration programs
1. Strengthening our cybersecurity defenses
2. Rolling out broader working from home/remote working capabilities
3. Reinventing how we deliver digital experiences to customers & employees
4. Using data in completely new ways
5. Transforming our services and consumption models

Nesse sentido, o open everything apenas deve acelerar ainda mais a transformação e com isso potencializar uma série de preocupações para um ecossistema de negócios cada vez mais complexo e interligado a aspectos econômicos, sociais, ambientais, políticos, legais e éticos.

Entender algumas destas preocupações pode ser fundamental para que os negócios consigam sobreviver a mais esta mudança.

Brainstorming: potenciais impactos do Open Everything

1. Modelos de negócios com base em novas premissas

Pensar novas formas de entregar experiências e serviços em um cenário que inclui dados vindos de competidores demandará novas formas de pensar os produtos. Diferentes ecossistemas interligados, jornadas de usuários interconectadas e comportamentos de usuários vindos de múltiplas plataformas tornarão os modelos de negócios interessantes.

Terão uma vantagem competitiva aqueles que, de forma eficiente, forem mais competentes na captura e transformação dos dados em inteligência e na sustentação e ativação dessas novas configurações desses sistemas digitais complexos.

2. Agravamento da guerra pelos melhores talentos

Desenvolvedores, cientistas de dados, designers, profissionais de cybersecurity, etc, serão cada vez mais necessários para solucionar os quebra cabeças desses novos modelos. Sairá na frente quem conseguir desenvolver uma comunidade, com uma cultura forte, e em torno de um propósito que consiga atrair esses profissionais.

3. Ética e Sociedade

A discussão sobre como os dados e os modelos de negócio serão utilizados para ofertar os produtos e serviços se agrava ainda mais, na medida em que as jornadas do consumidor tendem a se mesclar, e a possibilidade de que decisões que não sejam do interesse legítimo do consumidor façam-se valer pela exploração de uma fragilidade sabida é algo que se deve atentar de forma extrema.

4. Cybersecurity

Novas formas de uso de dados, tecnologias emergentes aplicadas a novos modelos de negócios, dependência de dados de terceiros, adequação a regulamentações em constante ebulição são alguns exemplos do desafio que ficará ainda maior para que os times de cybersecurity implementem mecanismos para a viabilização e proteção dos negócios.

“Open debate”

O open everything não acontecerá da noite para o dia e ainda são muitos e básicos os desafios para que seja possível acontecer transformações como estas. No Brasil, os movimentos de Open Banking e Open Insurance são exemplos de que essa jornada já está se iniciando. E você, o que enxerga como oportunidades e preocupações com essa tendência?

 

 

Governança & Nova Economia
Marco Tulio Oliveira De Moraes
Marco Tulio Oliveira De Moraes Seguir

Diretor de Cybersecurity & Privacidade, com 20 anos de experiência em tech, riscos e infosec. Reconhecido como um dos TOP 50 Global CISOs pelo IDG.

Ler conteúdo completo
Indicados para você