[ editar artigo]

As lições da pandemia

As lições da pandemia

Logo no início da crise mundial da Covid-19, escrevi um artigo sobre o "novo normal" no qual desconstruí um pouco dessa terminologia, que vem muito ao encontro da adoção da inovação. 

É  importante ressaltar que o cenário mundial já vinha de uma polarização e disputa de poder macroeconômico há alguns anos, o que, por si só, já traz uma necessidade constante de reinvenção ou melhores práticas de inovação por parte das empresas, uma vez que tudo muda a toda hora.

Uma crise como a da pandemia do coronavírus acelera e traz novos componentes a um cenário mundial já conhecido. Olhando para o Brasil, porém, vou retirar as ações do governo da minha análise, vez que muitas já vinham sendo encaminhadas. Observe-se:

  • Lei da liberdade econômica;
  • Marco legal das startups;
  • Reforma Administrativa;
  • Desestatização de áreas essenciais para o avanço inovador no país (essencialmente na esfera da comunicação);
  • Leilão e definição do 5G.

Com o impacto direto da pandemia no Brasil, acelerou-se a imersão tecnológica. Vários negócios, representados por seus conselhos, empresários e altos executivos,  viram-se obrigados a compreender melhor a tecnologia e a adotá-la em suas companhias de forma célere - se já não vinham fazendo isso. Foi necessário, por exemplo, adotar estratégias de marketing digital e e-commerce numa velocidade muito superior à que era pensada ou à que vinha sendo aplicada.

Áreas que já se destacavam pela inovação, como o agronegócio e o setor financeiro, ganharam um destaque ainda maior e suportaram as áreas econômicas mais afetadas durante a crise. O mesmo vale para outras empresas, de outros setores, que já vinham se preparando para saltos mais altos e também tiveram destaque muito positivo, como a Magalu, que com a crise teve a possibilidade de abrir uma vantagem ainda maior em relação aos seus concorrentes e acelerar investimentos em startups, que somaram em inovação ao seu modelo de negócio.

Por fim, algumas empresas foram capazes de implementar soluções inovadoras para a sua própria cadeia de valor, buscando alternativas dentro e fora de casa, ampliando o olhar também quanto a soluções de startups e incorporando-as ao seu negócio. O que se viu foram, em busca da salvação, tomadas de decisão pautadas pela inovação, que antes da crise poderiam ter mais restrições ou ser mais "pragmáticas". Será que ficou a lição para sempre? 

 

 

Governança & Nova Economia
MICHAEL FUKUDA
MICHAEL FUKUDA Seguir

Tenho 25 anos de carreira em Vendas e TI, passando por empresas como IBM, HP e Microsoft. Ha 2 anos atuo como conselheiro de StartUp, este ano me tornei sócio da Benkyou, ajudando no M&A com o Grupo GS&MD. Também sou diretor de Learning do EO

Ler conteúdo completo
Indicados para você