[ editar artigo]

A pandemia e um olhar mais aberto para as marcas nativas digitais

A pandemia e um olhar mais aberto para as marcas nativas digitais

Logo que a pandemia do novo coronavírus chegou o mundo ficou paralisado. Todos se perguntaram como seria o dia seguinte, com preocupações de curto prazo. Isso, naturalmente, espalhou-se sobre a rotina das pessoas e sobre os hábitos de consumo, com um olhar quase que instantâneo apontado para o mundo digital. Tão logo as pessoas entenderam a necessidade de estarem isoladas, os consumidores adotaram de maneira mais intensa o comércio eletrônico, o que ampliou naturalmente a demanda orgânica.

Com o comércio físico fechado, a maioria das marcas e empresas, que antes não estavam buscando de forma acelerada a digitalização, viram-se numa corrida contra o tempo para estarem online e buscarem atender parte de um público que já estava pronto para comprar online e não queria mais esperar qualquer reabertura para obter um item desejado.

Nesse cenário, quem saiu na frente foram as marcas nativas digitais, também conhecidas como DNVBs – do termo Digitally Native Vertical Brands, empresas que nasceram na Internet e atuam sob a lógica da era digital.

Essas marcas digitais, presentes em diversos setores da economia – como a Sallve (produtos de beleza), Basico.com (vestuário), LivUp (alimentos), Zissou (colchões) e Livo (óculos) – já estavam prontas para atender aos clientes online e, diferentemente das tradicionais, mostraram-nos o quão importante é se antecipar aos movimentos do mercado e buscar diferenciação no modelo de negócio, evitando ao máximo se expor a situações de mercado que possam impedir a sua atuação.

Ao longo do último ano, pudemos presenciar alguns movimentos de grandes grupos adquirindo marcas digitais como parte de sua estratégia de expansão e digitalização, caso da compra da marca ByNV pelo Grupo Soma (B3:SOMA3) ou mesmo da marca LAUF pelo mesmo grupo mais recentemente.

Isso mostra como as empresas e seus conselhos estão ampliando sua visão de posicionamento estratégico e tomando decisões olhando mais profundamente para operações de inovação mais orientadas à transformação digital, de modo a unir expertises e conhecimentos de dois mundos, antes distintos, mas agora hiperconectados.

De modo geral, no enfrentamento dessa crise atual, acredito que todas as indústrias seriam sensatas ao refletir sobre como chegaram até aqui e o que precisa ser feito para realmente mudarem e evoluírem. E o olhar para o digital é fundamental para darem o próximo grande passo.

Já do lado das marcas nativas digitais, tanto as que já existem quanto as que serão criadas, é imprescindível que tenham uma proposta de valor e uma experiência para os clientes melhores que as marcas tradicionais, com o claro objetivo de mostrarem ao mercado quem apenas aproveita a oportunidade que o mundo digitalizado está oferecendo e quem realmente está construindo plataformas com visão de longo prazo. As grandes empresas estão de olho. Ou pelo menos deveriam.

Governança & Nova Economia
Ler conteúdo completo
Indicados para você